TRADUTOR :

Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

Postagens populares

sábado, 2 de julho de 2011

MARIANA, CIDADE PRIMAZ DE MINAS GERAIS

Mariana a primaz de Gerais


No dia 16 de julho de 2010, comemoramos os 314 anos de Mariana, cidade primaz de Minas Gerais.

Primeira vila, primeira capital, sede do primeiro bispado e primeira cidade a ser projetada em Minas Gerais.

No dia 16 de julho de 1696 Salvador Fernandes Furtado de Mendonça líder de um grupo de bandeirantes paulistas chegou às terras que hoje conhecemos como à cidade de Mariana, encontraram ouro em um rio batizado de Ribeirão Nossa Senhora do Carmo. Às suas margens nasceu o arraial de Nossa Senhora do Carmo, pois no dia 16 de julho a igreja católica celebra o dia de Nossa Senhora do Carmo. O povoado se tornou um dos principais fornecedores de ouro para Portugal, pouco tempo depois se tornou a primeira vila na então capitania de São Paulo e Minas de Ouro, tornou-se também a primeira capital.

Em 1745, foi elevada à cidade e nomeada Mariana, uma homenagem à rainha Mariana Ana D’ Austria. Na mesma época passou a ser sede do primeiro bispado mineiro.Um projeto urbanístico foi feito na cidade, sendo elaborado pelo engenheiro militar José Fernandes Pinto de Alpoim. Ruas em linha reta e praças retangulares são características da primeira cidade planejada de Minas e uma das primeiras do Brasil.

Além de guardar relíquias e casarios coloniais que contam parte da história do país, em Mariana nasceram personagens da cultura brasileira. Entre eles estão o poeta e inconfidente Cláudio Manuel da Costa, o pintor sacro Manuel da Costa Ataíde e Frei Santa Rita Durão. Tudo isso faz da “primeira de Minas” um dos municípios mais importantes do Circuito do Ouro e parte integrante da Trilha dos Inconfidentes e do Circuito Estrada Real. Uma cidade tombada em 1945 como Monumento Nacional e repleta de riquezas do período em que começou a ser traçada a história de Minas Gerais.

Conheça  alguns  pontos turísticos dessa cidade:
 
 
Cachoeira do Brumado

Um passeio pelos arredores de Mariana proporciona isso. Cachoeiras que, com certeza, aliviaram o cansaço de personagens históricos se espalham por toda a parte. Mirantes nos dão uma visão ampla da aspereza do desafio e da luta incansável por essas riquezas. Assim é o distrito de Cachoeira do Brumado que registra um grande legado histórico herdado dos seus antepassados, sobretudo no artesanato e na arte, que extrapola os limites do município de Mariana e região. A arte em pedra-sabão e madeira, tapetes de pita e sisal, são objetos de apreciação e comercialização, não só nas casas dos artistas daquele distrito, como nos grandes centros e feiras internacionais.


Pico da Cartuxa


Com 1343 metros de altitude, o Pico da Cartuxa é um verdadeiro campo escola para a prática de vôo de Asa Delta e Paraglider. Por ter condições climáticas muito favoráveis para a prática destes esportes radicais, Mariana já sediou vários eventos nacionais na rampa do Pico da Cartuxa com pouso no distrito de Bandeirantes, que é outro espetáculo. Escalada e rapel também são atrativos a parte, com várias vias grampeadas e tantas outras esperando para serem conquistadas. As rochas em Hematita com vias de vários níveis é um excelente ponto de visual avistando todas as serras da região. O Pico da Cartuxa fica a 10 km do centro de Mariana e possui estrutura para ir de carro até a beira de uma trilha fascinante pelo meio da mata, com possibilidades de avistar durante o percurso, animais da fauna típicos da região. A caminhada é feita entre 3 a 5 horas e possui grandes subidas onde o contato direto com a natureza proporciona momentos que nos leva agradecer a DEUS por ter criado essas maravilhas e nos dado de presente.
 
 
                                                               Lago Cristalino


Uma das atrações de Mariana é o Ecoturismo; visitação de grutas, caminhadas, banhos de cachoeiras, práticas de esporte radicais, trilhas. Para os que querem descobrir mais sobre a história da cidade, Mariana possui a maior mina de ouro aberta para visitação, a Mina da Passagem, que guarda segredos e mistérios que encantam a todos. Esta foto é de um lago cristalino que se encontra no interior da mina, e é considerado um dos melhores pontos de mergulho em altitude do país, uma vez que esse se encontra a cerca de 900 metros acima do nível do mar. A água realmente é cristalina, podendo sua visibilidade chegar a 50 metros de distância, com temperatura constante de 21 graus. Faça chuva ou sol, as condições do mergulho são sempre as mesmas. Existe um fluxo de água mínimo, que é imperceptível, mas que basta para reciclar a água. O sedimento é classificado como lodo ou lama e se assenta com relativa rapidez depois de revolvido. A profundidade chega a 240 metros, porém a maioria dos mergulhos é feita até os 21 metros, sendo que a profundidade máxima até o momento é de 74 metros. A maior penetração já alcançada é de cerca de 2.000 metros.
 
 
                                                          Colégio Providência


Fundado em 1850, o Colégio Providência se tornou a primeira casa de educação vicentina fora da Europa, e de Mariana se irradiou para vários países da América. Foram destinadas pela Superiora Geral da Congregação doze Irmãs francesas para residirem em Mariana, aqui chegando no dia 3 de abril de 1849, depois de uma longa viagem que duraram três meses, feita por mar até o Rio de Janeiro e a cavalo do Rio a Mariana. No ano seguinte, as portas da Casa da Providência foram abertas para o ensino e em 10 de março de 1850 foi oficialmente fundado o Colégio Providência. Anexo ao Colégio fundou-se o Orfanato, mais tarde transformado em Educandário. Várias obras foram aparecendo de acordo com as necessidades da época tais como hospital, lataria, creche e uma vila, com o objetivo de acolher as senhoras idosas e que ainda se encontra em funcionamento. Hoje o colégio Providencia é um marco referencial histórico e educacional não só para a cidade de Mariana, mas todo o Estado de Minas Gerais.
 
 
 
                                                             Maria Fumaça


A construção do ramal ferroviário da cidade de Ouro Preto foi iniciada em 1883, tendo seu prolongamento até Mariana concluído em 1914. Foi um sonho acalentado durante muito tempo, já que a locomotiva naqueles idos era um modelo de prosperidade, um marco do progresso. Tudo isso quando o ouro já não vertia mais. Era preciso substituir o sonho do ouro por outro. E o trem permitia isso. Também serviu para selar ainda mais o destino destas duas cidades, irmãs na história contada em suas estações. A torre vista ao fundo, é da estação ferroviária de Mariana, uma releitura das torres das igrejas barrocas das duas cidades. Restaurada em 2006, a estrada de ferro, com seus 18 quilômetros, recebe agora os turistas, que têm mais um motivo para conhecer e penetrar nos segredos de Minas.
 
 
 
                                                  PICO DO ITACOLOMI


A formação rochosa (1752m) do Pico do Itacolomi, importante patrimônio das cidades irmãs Mariana e Ouro Preto, serviu como ponto de referência para os bandeirantes. Um dos primeiros a chegar aos pés do Itacolomi, no aurífero Vale do Tripuí, foi Antônio Dias em 1698, vindo de Taubaté. A notícia correu rapidamente e levas de aventureiros se dirigiram àquela mítica montanha, usando para isso vagas instruções geográficas. Levou um certo tempo para que conseguissem finalmente encontrar o Pico, até então mais um cume perdido no mar montanhoso de Minas. Hoje o Parque Estadual do Itacolomi preserva este marco da conquista do ouro, proporcionando aos visitantes curiosa vegetação, vales, rios, formações rochosas e vistas panorâmicas de tirar o fôlego.
 
 
                                             COLINA DE SÃO PEDRO


A colina de São Pedro oferece uma vista privilegiada da cidade de Mariana. De lá é possível avistar não só as construções coloniais e os monumentos históricos, mas também, as belas montanhas que rodeiam a nossa cidade. No seu ponto mais alto localiza-se a Igreja de São Pedro. O início das obras de construção deste templo está datado em 1752, e representa uma das três igrejas barrocas mineiras com plano arredondado. No interior da mesma está o altar-mor, talhado em jacarandá, na cor natural da madeira. Alguns artistas importantes da época participaram da execução do projeto, como Antônio Pereira de Souza e José Pereira Arouca.
 
 
                                                             RUA DIREITA


Segunda rua mais antiga da cidade, caracterizada pelas suas importantes construções coloniais, tem uma forte ligação entre o passado e o presente na cultura e história da nossa cidade. O conjunto arquitetônico desta rua é um dos mais bem preservados da cidade. Encontra-se nela a casa do Barão de Pontal, ex-governador das Minas Gerais. Também nesta rua, fica a Casa Setecentista, em estilo colonial, construída no final do século XVIII. Aí encontram-se guardadas coleções de preciosos documentos dos Séculos XVIII e XIX. Chama atenção ainda na Rua Direita, a casa que pertenceu ao grande poeta simbolista e escritor Alphonsus de Guimarães, onde hoje está instalado um museu que guarda vários de seus pertences.
 
 
                                                    COMO TUDO COMEÇOU


A região de Mariana é uma das mais ricas áreas de mineração do mundo. Na foto podemos observar um garimpeiro em um dia de trabalho nos fazendo reviver a história que conta a chegada dos bandeirantes que povoaram essas terras em busca do ouro abundante que brotava na superfície do famoso e cobiçado Ribeirão do Carmo. Uma curiosidade que também vale a pena contar é que nossa região também é rica em pedras preciosas com algumas minas de Topázio Imperial, sendo o único lugar do mundo onde é encontrada esse tipo de pedra.
 
 
                                            CASA DE CÂMARA E CADEIA


A casa de Câmara e Cadeia, que particularmente é o mais exuberante de todos os prédios coloniais, teve sua construção iniciada durante o século XVIII, tornando um edifício público que abrigava diversas funções num mesmo local, tais como Casa de Câmara e Cadeia, Audiência Pública, Sino do Povo, Relógio Público, Capela. Hoje, continuando a sua tradição, é a sede do legislativo municipal. O monumento foi projetado por José Pereira dos Santos em 1782, justamente no ano da sua morte, tendo assim sua construção iniciada por José Pereira Arouca, em 1784. Sua edificação assemelha-se às residências rústicas de Portugal. Acima da capela está erguida a torre sineira, herdada das antigas torres de alarme dos edifícios da idade média e tinha a utilidade de avisar aos moradores sobre qualquer eventualidade local, como festas, comemorações, incêndios, dentre outros. A planta do edifício é retangular e se divide em dois andares. No andar de cima, dividido em 3 salões e 5 salas de fundo, continua funcionando os serviços da Câmara Municipal. Já no andar de baixo ainda existem as três salas que eram usadas como cárceres e se destinavam aos presos brancos, negros e mulheres.
 
 
PRIMAZ DAS MINAS GERAIS



Existem lugares onde tudo tem início, nos quais homens fixam raízes e começam a escrever uma história. Transformam o mundo e também a si mesmos. O Estado de Minas Gerais, como o conhecemos hoje, nasceu às margens de um formoso ribeirão, em uma cidade com vocação para o fascínio e para a beleza. Mariana, berço da civilização mineira, por ter sido a primeira vila, a primeira cidade e a primeira capital de Minas, é um desses lugares, onde tudo começou e hoje faz parte do importante patrimônio histórico e cultural do Brasil e do mundo.
 
 

                                                PRAÇA MINAS GERAIS


A Praça Minas Gerais é um dos mais belos e imponentes acervos históricos do mundo. Cartão postal da cidade de Mariana, ela é inusitada por conter quatro monumentos históricos próximos, o que é raridade no mundo. Na Praça Minas Gerais localiza-se a Primeira Casa de Câmara e Cadeia de Minas Gerais, atual sede do legislativo municipal, a Igreja de São Francisco de Assis, o Santuário de Nossa Senhora do Carmo e o Pelourinho, onde escravos e condenados eram castigados publicamente.
 
 
                                           Cachoeira da Bumbaça


Após percorrer o antigo caminho da Maria Fumaça, podemos nos refrescar com uma deliciosa cachoeira à beira da linha, além de apreciar o visual do Mirante da Maria fumaça e realizar um treinamento de rapel e tirolesa. Com vários pontos de água potável durante os vários trajetos a seguir, o passeio alterna aventuras como, passar por túneis da estrada de ferro, saltar riachos (sem molhar o pé), desviar de troncos, pedras e raízes. Ao final de 1h e 30 minutos depara-se com uma grande queda d’água onde descansamos para apreciar a natureza.

4 comentários:

  1. PARABÉNS! AMEI SOU DE MARIANA, E GOSTARIA DE COMPARTILHAR NO MEU FACEBOOK ESTAS FOTOS.
    PODERIA COM SUA PERMISSÃO, E GOSTEI DOS ESCRITOS MUITOOOOOOOO!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. MEU NOME É JOANA PROFETA.SOU EU QUE ESTOU COMO ANÔNIMO RSRRRRS

    ResponderExcluir
  3. Olá Joana claro que pode compatilhar as fotos fique a vontade em meu blog...Abraço

    ResponderExcluir
  4. Vinícius Augusto Dias17 de junho de 2012 07:26

    Oi, ficou ótimo amei, sou de Mariana é bom saber que se entereçao por nossa cultura

    ResponderExcluir